“De repente. De repente não, que disparate o meu.”

Aprecio grandemente pessoas com uma atenção particular à linguagem. Especialmente à própria, à que sai da boca para fora ou da caneta para o papel. Parece-me, de resto, uma verdade de importância extemporânea, ainda que hoje, num tempo do plágio linguístico, sem pessoalidade alguma, essa verdade se eleve.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s